Olhai os lírios

Por Arthur Otto Niebuhr, servidor público na Justiça Eleitoral

Por Redação em Vozes

08/09/2020 18:08

Olhai os lírios do campo. Não fiam nem tecem. Mas são belos e saudáveis.

Olhe para os seus filhos. Eles estão crescendo, não são mais crianças nem bebês. Embora estejam se escondendo atrás de um vídeo-game ou de um celular, ainda precisam do seu abraço e da sua atenção. As meninas estão sendo assediadas pelo mundo, ensinadas a se tornarem adultas prematuramente. Os meninos estão sem um referencial masculino positivo, muitas vezes optando por gestos armamentistas. Experimente ouvir e abraçar. Coma um hot dog sem pressa com eles.

Olhe para os seus pais. Os seus heróis estão envelhecendo; não conseguem mais “fazer aviãozinho” nem buscar você na escola. Enfim chegou aquele momento que você tanto temia: você precisa cuidar deles. Mas, muitas vezes, cuidar significa estar junto. Comer uma pizza, tomar uma “cervejinha sem álcool”, assistir uma novela qualquer. Eles não têm mais muito fôlego; reúnem estranhamente uma esperança nos netos e uma desesperança no hoje. As ideologias são bacanas, fizeram sentido para você, mas eles nunca entenderam. Seja tolerante com eles, pois eles foram muito compreensivos com você.

Olhe para os seus amigos. Os amigos de verdade, os que ficaram depois de tudo. São pessoas que compartilharam muitos momentos em comum com você, que riram muito, que ficaram até de manhã jogando, que foram no seu casamento, que deram uma força quando a sua vó morreu. A primeira coisa que você precisa saber é que eles também são adultos hoje, também pagam contas e, às vezes, a barra fica pesada. Talvez vocês creiam nas mesmas verdades, talvez não. A segunda coisa importante é que você precisa cultivar a amizade: telefonar, mandar mensagens, importar-se, dizer um “bom dia”. Amigos são um investimento diário.

Olha para o seu amado (ou a sua amada). Mesmo que tenham sido momentos difíceis, esta pessoa continua do seu lado. Mas a rotina nos transforma quase que empregados um do outro: eu faço isso e você faz aquilo. Tire um tempo e namore. Dance, faça um jantar, veja um filme bobo. A sua relação pode ser muito boa, mas não será eterna. Um dia, seremos como o velhinho do “Up” e teremos apenas um retrato na estante. Então, viva o agora. Ame e dê vexame. Exagere nos sentimentos. Vale muito a pena.

Olhe para o Criador. Mesmo que você se diga ateu, sejamos absolutamente sinceros: você acha mesmo que tudo isso é por acaso, que uma força cósmica criou você e está mantendo a sua vida com perfeito cuidado? Seja realista. Deus existe e está bem do seu lado. Demonstre gratidão, ao menos. Ele é paciente e amoroso como nós jamais seremos; Ele conhece a sua podridão e ainda assim ama você.

E a pandemia? Pode ser uma oportunidade de mudança ou pode ser apenas uma doença. Depende a sua cosmovisão.

Olhai os lírios do campo.

Olhai os lírios

Arthur Otto Niebuhr é servidor público, trabalha na 7ª Zona Eleitoral de Campos Novos

Folha Independente

Empresa Jornalística
Planalto Sul Ltda. ME

Folha Independente © 2020 Todos os direitos reservados

Desenvolvido por AVB Digital