O drama de quem tem familiar internado em UTIs

Saiba qual é a situação dos pacientes de Campos Novos internados nas UTIs  

Por Redação em Covid-19

12/08/2020 14:38

O drama de quem tem familiar internado em UTIs

Foto internet

Ouça o Podcast:

Lágrimas e orações. Essa é a realidade diária das famílias com um parente internado em uma Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). Uma luta diária contra a doença e muitos sonhos deixados para o futuro. Oração, solidariedade e responsabilidade. Essa deve ser a atitude de todas as pessoas neste momento difícil vivido pelas famílias. 

Alguns pacientes contaminados pelo coronavírus são pessoas sem nenhuma comorbidade ou doença prévia, alguns jovens no auge da vida, no entanto, após alguns dias com o vírus, o quadro evolui afetando órgãos vitais trazendo consequências gravíssimas para a saúde. O porque isso acontece com algumas pessoas e porque outras nem sequer tem sintomas, ainda é um mistério para medicina.

Em Campos Novos, o aumento dos casos positivos para Covid-19 e a maior parte dos óbitos foi entre julho e agosto. Dos 11 óbitos registrados, seis faleceram neste mês, quatro em julho e o primeiro óbito no mês de junho. O munícipio e a região Meio-Oeste estão em área de risco gravíssimo, e isso importa atitudes mais conscientes das autoridades públicas e de toda sociedade para que a curva pare de crescer.  

Conforme o boletim informado pela Secretaria Municipal de Saúde e divulgado pela imprensa da prefeitura de Campos Novos nesta terça-feira (11), quatro pacientes do município estão em UTIs da região, sendo um no hospital Maicé de Caçador, um no hospital Hélio Anjos Ortiz de Curitibanos, um no hospital Divino Salvador de Videira e um no hospital São Francisco de Concórdia. André Mattos, 38 anos de idade; Carlos Augusto Chiamolera, 54 anos; Luiz Maurício Gramázio, 50 anos e uma idosa não identificada estão internados em UTIs. 

André está no hospital há mais de 20 dias, sendo que permanece na UTI há 17 dias. Nos exames de sangue divulgados pelos médicos para a família na segunda-feira (10) houve melhora, pois, baixou a bactéria do organismo. Seu quadro até ontem (11) era grave, porém, estável. André está intubado e sedado.

Luiz Maurício está na UTI há 12 dias. Antes disso, ficou internado três dias no Hospital Dr. José Athanázio e recebeu alta. Na madrugada do dia seguinte seu quadro piorou sentindo falta de ar, retornando ao hospital e na sequência, transferido para a UTI. Luiz Maurício está em coma induzido e estável, sem melhora ou piora.

Carlos Augusto Chiamolera ficou internado durante uma semana no Hospital de Campos Novos e na madrugada do último sábado (08) foi transferido para a UTI. Segundo informações dos familiares, ele continua estável, porém, teve uma reação positiva nesta quarta-feira (12).

As famílias têm contato com o corpo clínico dos hospitais, uma ou duas vezes ao dia e por telefone. Em alguns casos, geralmente pela manhã, uma enfermeira liga e repassa se houve evolução do paciente e no final do dia um médico passa o boletim diário. Já em alguns casos, essas ligações não têm hora certa para chegar, deixando os familiares ainda mais apreensivos e em tensão constante.  

Importante

Por mais preocupação e curiosidade que tenhamos com os casos mais graves, procurar as pessoas da família do paciente não é a postura ideal. Neste momento de fragilidade dos familiares, o mais importante é ter empatia com essa dor e elevar-nos em oração ao Criador de todas as coisas.

Ouça ainda o podcast de Maria Augusta Chiamolera, filha de um dos pacientes de Campos Novos.  

Folha Independente

Empresa Jornalística
Planalto Sul Ltda. ME

Folha Independente © 2020 Todos os direitos reservados

Desenvolvido por AVB Digital