Moradora de Campos Novos reclama da organização do centro de vacinação da Covid-19

Lucia Fagundes fala sobre o acontecido

Por Redação em Covid-19

12/06/2021 16:17 - Atualizada em 14/06/2021 13:36

Moradora de Campos Novos reclama da organização do centro de vacinação da Covid-19

Imagem ilustrativa

Foto: Claudio Vieira/Prefeitura de São José dos Campos

Lucia Fagundes, moradora de Campos Novos, não pode ser vacinada contra a Covid-19 neste sábado (12), na Rodoviária da cidade.

Veja a nota repassada por ela:

Gostaria de saber se a vacina da Covid-19 é para o automóvel? Quem não possui carro não pode ser vacinado.

Acabo de ser tratada igual uma peteca sendo jogada para todo lado na rodoviária, pois ninguém sabia quem entregava as senhas para quem chega lá a pé.

Quando consegui falar com alguém, me mandaram a pé da rodoviária, até o ginásio, para ser vacinada.

Eu não tenho carro, e entendi que em Campos Novos a vacina é para o automóvel, e não para um ser humano que não possui carro.

Existem 200 mil ONG no Brasil para cuidar da poluição do ar, mas se você não possui carro não pode ser vacinado da Covid, e ainda por cima é mal tratado por funcionários públicos, muito bem pagos com o dinheiro de impostos de tudo o que consumimos. É o país da hipocrisia.

Eu tinha comorbidade, tinha o papel. Quem me atendeu não quiz olhar. Falou que eu deveria ir ao Ginásio.

O fato é que não tinha ninguém para ser vacinado no local, uma delas já tinha preparado a vacina.
Não é uma "gripezinha", é uma pandemia, onde o mundo está de cabeça para baixo, e o SUS, insiste nos protocolos burros.

Eu já fui atendida por dois médicos daqui, pelo SUS, elea foram impecáveis, as enfermeiras também. Fui atendida no hospital, também, muito eficientes.

Existem profissionais dedicados no SUS, sim. Mas o que aconteceu comigi no sábado, foi desnecessário.

É importante deixar claro que não é todo o SUS que é ruim, existem profissionais bons, médicos dedicados, enfermeiras também.

Mas se foi separado atendimento para pessoas com carros e pessoas a pé, se não havia ninguém na fila, qual eu não poderia ser vacinada ali?

Qual a razão de enviar a pessoa a pé por um hora p outro lado da cidade? Ou eu teria que pegar um carro para chegar no outro ponto de vacinação, essa foi minha conclusão.

Lucia também reclamou do atendimento: "Enfim, no meu caso teria que andar uma hora até o ginásio ou voltar na terça-feira, aliás a moça (extremamente irônica) e sem a mínima vontade de informar, terminou duzendo que não sabia quando eu poderei ser vacinada." afirma a senhora que não foi vacinada e complementa: "Eu me senti muito mal, essa é a verdade".

 

Folha Independente

Empresa Jornalística
Planalto Sul Ltda. ME

Folha Independente © 2020 Todos os direitos reservados

Desenvolvido por AVB Digital