Explicando as pesquisas eleitorais

Leia a coluna de Antônio Worst

Por Antônio Worst em Vozes

20/07/2022 23:06

Obviamente eu não confio mais em pesquisa, desde que elas erraram quase tudo nas últimas eleições, em especial contra o Presidente Bolsonaro em 2018 e seus apoiados na época. No Rio de Janeiro por exemplo, Witzel aparecia com 2% de intenção de votos, na última semana tinha 6% e acabou vencendo por 54% em primeiro turno...

Zema, em Minas Gerais tinha apenas 12% e levou no primeiro turno...

Então, fica difícil confiar ou dar credibilidade a um sistema que tem errado tanto as suas previsões.
Hoje, as pesquisas dão Lula com 42% e Bolsonaro com 36%.

Acredito que há uma lógica nestes números, e eu explico, principalmente porque Lula e o PT são nomes consolidados há muito mais tempo do que de Jair Bolsonaro, que disputou a primeira eleição federal em 2018, e nunca teve identidade partidária. Por esta razão, o eleitorado de Lula já está 100% definido, e não volta atrás, inclusive se Lula for preso hoje novamente, e ordenar que votem em uma cadeira para Presidente, a cadeira terá a votação que ele teria e isso é óbvio para o mundo político.

Bolsonaro hoje tem 30% de votos, e estes 30% dos eleitores não abrem mão dele. Digo em um contexto geral, Bolsonaro tem menos eleitores fiéis que o Lula, porém, o Lula tem uma rejeição absurda, onde o eleitor que não vota nele num primeiro turno, jamais votaria nele no segundo. Se o Lula concorresse sozinho, este eleitor (que representa 28%) anularia o Voto, agora, se concorresse com a direita, ou com outro candidato de centro, estes 28% votam no adversário.

Vou especificar melhor: no dia de hoje, 3 meses antes da eleição, Lula tem algo entre 35 - 42% dos votos, enquanto Bolsonaro tem entre 30 e 37%.

Aposto que Pablo Marçal (PROS) será o terceiro colocado com 10% dos votos válidos.

O restante destes eleitores, não votam em Lula em hipótese alguma, mas votam em Bolsonaro contra o Lula (exceção abaixo de 5%).

Eu vejo que, na eleição, em 45 dias, muitos que estão indecisos irão se posicionar novamente ao lado do presidente Bolsonaro temendo uma possível Vitória de Lula.

Acho que, no primeiro turno, tem tudo pra que Bolsonaro e Lula empatem tecnicamente. Vejo uma vantagem de 38% para o Bolsonaro contra 35% do Lula. Talvez o terceiro colocado faça 10%, mas acho muito difícil.
No segundo Turno, Bolsonaro fará 62% contra os 38% de Lula.

Quero salvar esta coluna para poder comparar depois se eu estava certo ou não.

Acredito que muitas mulheres, negros, nordestinos e gays tinham medo de votar em Bolsonaro ainda em 2018, mas hoje este medo caiu, pois em 4 anos nenhuma ameaça a estes grupos existiu, pelo contrário, o Governo Bolsonaro foi o que mais investiu no Nordeste, e incentivou a Liberdade para o povo Brasileiro, os índices de violência caíram 20% logo no primeiro ano, o que aumentou a segurança de todos os grupos de minoria, com exceção do MST e das centrais sindicais ligadas à CUT e movimentos partidários ligados à esquerda, e este voto já é do Lula. Vale lembrar que estes grupos perderam o apoio que tinham, pois perderam o financiamento público, então estão cada vez menores.

Acredito que, apesar da Pandemia, guerra exterior e situação de inflação mundial, a população dará mais um voto de confiança para Jair Bolsonaro, o que terá tudo para dar certo em um governo sem Pandemia e sem guerra.

Repito.

Primeiro Turno ficará em:

Bolsonaro 38%
Lula 35%
Pablo Marçal (máximo) 10%
Outros: 17%

Segundo Turno:

Bolsonaro 62%
Lula 38% Ver menos
— sentindo-se pensativo.

A opinião do colunita não representa necessariamente a opinião da Folha Independente.

Explicando as pesquisas eleitorais

Antônio Worst é vereador em Estância Velha (RS) no mandado 2021/2022

Explicando as pesquisas eleitorais
Folha Independente

Empresa Jornalística
Planalto Sul Ltda. ME

Folha Independente © 2020 Todos os direitos reservados

Desenvolvido por AVB Digital