Barroso pede desculpas por atraso na divulgação dos resultados das eleições

Ministro reforçou que não houve alteração na contagem de votos

Por Redação em Eleições 2020

19/11/2020 19:02

Barroso pede desculpas por atraso na divulgação dos resultados das eleições

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, pediu desculpas aos colegas da Corte e à sociedade brasileira pelo atraso de quase três horas na divulgação dos resultados do primeiro turno das eleições municipais.

Na quarta-feira (17), durante abertura da sessão do tribunal, Barroso reiterou que o atraso foi causado por um problema no computador responsável pela operação e que o fato não alterou os votos dos eleitores. “Peço desculpas aos colegas e à sociedade brasileira por essa dificuldade que enfrentamos, mas esclareço que não houve nenhum tipo de comprometimento para fidedignidade do voto, para a fidelidade da manifestação da vontade popular”, garantiu.

O presidente explicou que o resultado da votação é definido na urna eletrônica e não há como os votos serem alterados durante o processo de envio dos dados para o TSE, que realiza a totalização, ou seja, a soma dos votos recebidos pelos candidatos em todo o país.  Segundo o ministro, os partidos políticos podem checar se os votos dados aos candidatos foram totalizados por meio do boletim de urna, o relatório impresso afixado na porta das seções eleitorais após o fim da votação.

“Nunca aconteceu de haver uma inconsistência entre uma coisa e outra. Portanto, houve um pequeno atraso para a totalização dos 113 milhões de votos, que foi totalmente irrelevante para a fidelidade do resultado que foi divulgado”, afirmou.

Segundo o TSE, o atraso na divulgação dos resultados foi causado por uma falha no sistema de inteligência artificial de um computador. O supercomputador responsável pela totalização e divulgação dos votos chegou ao tribunal em agosto, devido à pandemia da Covid-19, e não houve tempo suficiente para fazer todos os testes antes do primeiro turno. O equipamento foi comprado em março.

A Oracle, empresa responsável pelo computador que apresentou defeito, foi acionada para resolver o problema até o segundo turno, que será realizado no dia 29 de novembro. A forma de totalização centralizada no TSE vai continuar no segundo turno. Nas eleições passadas, a totalização era feita pelos tribunais regionais eleitorais e foi alterada por motivos de segurança e de custos. Aliado às proteções para evitar ataques de hackers, a novidade também pode ter contribuído para a lentidão, de acordo com o tribunal.

Notícias Relacionadas

Folha Independente

Empresa Jornalística
Planalto Sul Ltda. ME

Folha Independente © 2020 Todos os direitos reservados

Desenvolvido por AVB Digital